Quem quer ter a casa própria costuma ter uma dúvida comum: afinal, vale a pena financiar imóvel? Essa é uma forma facilitada de pagamento, mas, como o investimento é grande, é preciso pensar com cuidado.

Apesar de o financiamento ajudar a comprar um imóvel, há a necessidade de entender como ele funciona para conseguir planejar-se e não entrar em negócios ruins ou que trarão mais dívidas para a família.

Para ajudar nisso, neste texto, nós explicaremos, de forma simples, como funciona um financiamento e as principais regras desse pagamento. Confira, a seguir, e programe a compra da sua casa própria!

Como funciona o financiamento?

De forma geral, o financiamento é a compra de um imóvel de forma parcelada, sendo que o vendedor recebe todo o valor à vista. Isso é possível, pois esses contratos são feitos com bancos e instituições financeiras. O comprador paga um valor de entrada e financia o restante, com aplicação de taxa de juros, enquanto o banco contratado paga ao vendedor o preço pretendido com o imóvel.

Existem diversas modalidades de financiamento com regras regulamentadas legalmente. Cada instituição pode oferecer suas condições, desde que sejam respeitados os requisitos mínimos.

Quanto é preciso pagar de entrada?

Como falamos, cada instituição financeira dispõe suas condições no contrato de financiamento de imóvel. Então, o valor da entrada depende dessas regras, que são fundamentais para saber se vale a pena financiar imóvel.

Com base nisso, podemos dizer que a entrada gira em torno de 20%, variando de acordo com a instituição e a linha de crédito contratada. Para saber exatamente qual é o valor, é preciso entrar em contato com o contratado e fazer simulações.

Vale lembrar-se de que, como o restante da quantia do imóvel é parcelado, quando menor for a entrada, maior será o custo das parcelas. Logo, é preciso planejamento para arcar com essa despesa.

Qual é o valor das parcelas?

Como falamos, o pagamento da entrada afeta o valor das parcelas, mas existem diversos fatores que também influenciam nisso. Aqui, é preciso conhecer as regras e fazer uma simulação prévia.

O tempo total do parcelamento, a taxa de juros, a renda da família, o valor do imóvel e outros fatores afetam quanto você pagará mensalmente no financiamento. Nos financiamentos mais comuns, não é possível comprometer mais do que 30% da renda comprovada com as parcelas do contrato.

Como são calculados os juros?

Os juros também dependem da instituição financeira e do financiamento contratado. No Sistema Financeiro Habitacional (SFH), que é uma modalidade de parcelamento com regras próprias, existem alguns regulamentos.

Primeiro, há um valor máximo para o imóvel: ele não pode ultrapassar R$ 1,5 milhão. Porém, há uma vantagem aqui, pois as taxas de juros estão limitadas a 12% ao ano. Assim, ao optar por essa modalidade, que é a mais comum, você sabe quanto será a taxa de juros e que ela tem um teto, facilitando o seu planejamento e não caindo em maus negócios.

Viu só? Agora você consegue avaliar melhor se vale a pena financiar imóvel. Não se esqueça que existem outras formas facilitadas de pagamento, como a permuta e o consórcio. Por isso, não deixe de pesquisar todas as opções para essa aquisição!

Gostou do texto? Que tal compartilhá-lo nas redes sociais para que mais pessoas entendam como funciona o financiamento?

Escreva um comentário